Tradições de Ano Novo: “Ano Novo, Vida Nova!”

Gaibéu
Seguir

Gaibéu

O Gaibéu é um filho ilegítimo.
Nasceu do amor à escrita, ao jornalismo e à cultura das gentes e da terra.
Gaibéu
Seguir

Latest posts by Gaibéu (see all)

A Passagem de Ano é, muitas vezes, relacionada com recomeços, mudanças, novas esperanças e iniciativas. Por este motivo é também envolta em mil e uma tradições.

Em Portugal há muitas tradições associadas a superstições, das quais destacamos algumas que o leitor poderá querer experimentar logo à noite.

Comer uma passa por cada mês do ano às 12 badaladas e pedir um desejo a ser realizado no novo ano

 

Beber espumante

Há quem guarde a rolha da garrafa que foi aberta e só a deite fora no ano seguinte.

 

Subir com o pé direito para cima de uma cadeira às 12 badaladas

Diz-se que trará prosperidade e subida na vida. Também pode ser feito com uma nota na mão para atrair mais dinheiro.

 

Antes da celebração, fazer a cama com lençóis novos para ter sorte no amor

 

Vestir roupa interior igualmente nova para atrair amor e sorte

A cor da roupa interior depende do que se pretende: se for azul trará boa sorte, a vermelha trará sorte no amor, a amarela trará dinheiro, a branca paz, a verde saúde e a castanha melhorará a carreira profissional.

 

Passar de ano com dinheiro nos bolsos, porque se eles estiverem vazios, diz-se que vão continuar assim todo o ano

 

Dar um mergulho nas águas geladas do mar na noite de passagem de ano ou logo no primeiro dia de Janeiro

 

Vir para a rua fazer barulho com tachos e panelas

 

Fazer barulho de um modo geral 

Pode-se fazer barulho com tachos e panelas, assobiando, gritando, lançando foguetes ou com qualquer acção que faça ruído e espante os maus espíritos e os fantasmas que assombraram o ano anterior.

 

Caso o leitor decida optar por uma destas tradições ou, por outro lado, não pretenda aderir a nenhuma, o Gaibéu deseja-lhe, da mesma forma e com votos sinceros, que o Ano de 2016 lhe traga o melhor. Bom Ano!

Comentários

Comentários

Gaibéu

O Gaibéu é um filho ilegítimo. Nasceu do amor à escrita, ao jornalismo e à cultura das gentes e da terra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

11 + 13 =